Ser Genial ou ter Atitude?

Com o passar do tempo e do ímpeto da juventude, você acaba vendo de uma forma mais amena seus próprios defeitos. Verdadeiramente, você descobre que eles são partes suas importantes, que defeitos fazem parte de você, ninguém é perfeito.

Tenho me auto avaliado, e isso não é fácil, mas é necessário se você quer ser uma pessoa melhor. Hoje tenho certeza de que não sou uma pessoa genial, daquelas de realizar maravilhosos brainstorms, de idealizar inovações fantásticas que mudariam o Mundo. Mas isso não me impede de seguir em frente. É bem mais trabalhoso, mas seria mais fácil se eu fosse genial?

Mas você já se pegou desconfiado das suas próprias competências e de não conseguir aceitar e admitir suas conquistas? Se sua resposta foi sim, você já passou pela síndrome do impostor. Passei por essa fase a alguns anos atrás e é bem comum em novos desafios.

Mas até que ponto a Genialidade e a Atitude podem influenciar no todo da nossa vida e na vida das demais pessoas? Vejo pessoas geniais escondidas e outras, nem tão geniais assim na mídia.

Não te faz pensar também se talvez aquela falta de atitude, escondida em uma ação teria feito mais a diferença?

E quando as duas coisas, atitude e genialidade se juntam, temos startups unicórnios, gênios premiados e exportados, grandes oradores e escritores.

Resumindo, é preciso ter atitude!  Arriscar, se expor e encarar a vida de frente. Afinal, o não você já tem e só se vive uma vez.