Esta semana notei que duas lojas de grandes varejistas do país investiram em modelos industriais de limpeza. Não leve para o lado crítico da ideia que estou tentando passar, mas também notei que nestas lojas os funcionários que antes passavam seu dia na mesma atividade já não a fazem mais nestas lojas.

Então quando falo em troca de mão de obra humana por máquinas, falo deste tipo de troca. Uma troca que inicia na mão de obra mais comum e não menos vital para todos.

Estes serviços existiram sempre, e obviamente mesmo que eu seja fã de um futuro onde as máquinas facilitem nossa vida, penso no lado humano da coisa.

Precisamos repensar nossos cargos e estilo de vida. Eu estou repensando os meus.

Criado via mobile

Pai do Pedro, Marido e Workaholic com vida social. Mais em https://www.edersonmelo.com/quem-sou/